PDA Mata Atlântica (Concluído)

Proposta:

A mudança do clima do planeta é resultado principalmente do aumento da poluição, dos desmatamentos e das queimadas. A Mata Atlântica, por exemplo, já perdeu mais de 90% de sua cobertura original, o que contribuiu para agravar os problemas ambientais. A crescente preocupação com o futuro do planeta levou a comunidade internacional e o governo brasileiro a somarem esforços na criação do Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil – PPG7 com o objetivo de apoiar iniciativas de pequenos agricultores, populações extrativistas, ambientalistas e povos indígenas da região da Mata Atlântica e da Amazônia. Dentre os subprogramas implantados está o Subprograma Projetos Demonstrativos – PDA Componente Mata Atlântica. Desde 1996 o PDA Mata Atlântica desenvolve ações que contribuem para a conservação do que resta de uma das mais importantes florestas tropicais do Planeta, reduzindo significativamente o processo de empobrecimento da sua biodiversidade. Pensando nisso foi elaborado um projeto para preservar e recuperar a Mata Atlântica, gerar renda e fortalecer as comunidades rurais do município de Paraty. A iniciativa do Idaco foi apoiada pelo Ministério do Meio Ambiente, por meio do Subprogama Projetos Demonstrativos – PDA Componente Mata Atlântica.

Além do IDACO, participaram da elaboração do projeto o Conselho Municipal das Associações de Moradores de Paraty – COMAMP, a Associação de Moradores da Comunidade Quilombola Campinho da Independência – AMOC e a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ. Na implementação das ações o projeto também conta com o apoio da Universidade Federal de São Carlos (Campus Sorocaba), Secretaria de Agricultura, Pesca e Meio Ambiente de Paraty e IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (APA Cairuçu).

Objetivos

Promoção da agroecologia como estratégia para a melhoria da qualidade de vida das comunidades rurais de Paraty por meio das seguintes ações:
• Capacitação dos agricultores e estímulo às práticas agroecológicas;
• Estímulo ao aproveitamento sustentável de produtos florestais não madeireiros;
• Produção e distribuição de mudas;
• Implantação de cultivos agroecológicos;
• Visitas de intercâmbio;
• Fortalecimento da organização e gestão comunitária;
• Recuperação de áreas degradadas e matas ciliares.

Galeria

Público

Os beneficiários são pequenos agricultores e extrativistas do entorno do Parque Nacional da Serra da Bocaina, de assentamentos de reforma agrária, de comunidades quilombolas e de outras comunidades rurais do município de Paraty. Os impactos repercutem em várias comunidades beneficiando indiretamente uma população total estimada em 1.500 pessoas.

Gestão

Aliando experiência técnica e administrativa, conhecimento científico e articulação comunitária, o projeto é gerido por uma Comissão cujo papel é planejar e supervisionar a execução das atividades e a utilização dos recursos financeiros, humanos e materiais, além de monitorar resultados e avanços.
Na execução do PDA Mata Atlântica uma das maiores preocupações é estabelecer processos participativos de execução e monitorar ações e resultados. As equipes privilegiam o contato direto com os beneficiários buscando estabelecer uma relação de confiança e de complementaridade de saberes. O monitoramento é feito a partir de indicadores específicos de fácil percepção para o público. O envolvimento de vários parceiros, como universidades, órgãos de governo, organizações comunitárias e organizações não-governamentais contribui para enriquecer as experiências e consolidar os processos participativos.

Parcerias